Welliton aciona Fifa por atraso de salários, deixa clube turco e está livre no mercado

10/08/2017 15:27:00
Ex-jogador de Grêmio e São Paulo vive mesma situação do goleiro Paulo Victor, que teve problemas com Gaziantepspor, e lamenta janela de transferências fechada no Brasil

Mais um jogador brasileiro está de malas prontas para deixar a Turquia após atraso de salários. Em junho, o goleiro Paulo Victor saiu do Gaziantepstor, voltou ao Brasil, e agora está no Grêmio. Nesta semana, foi a vez do atacante Welliton, ex-São Paulo e com passagem pelo tricolor gaúcho, conseguir na Fifa a liberação de seu contrato com o Kayserispor após um ano no clube. Segundo o próprio jogador, foram três meses de calote, que ele considerou uma falta de consideração após ter um bom desempenho pela equipe.

 

- Eu sou artilheiro do time no Kayserispor. Fui o jogador principal da equipe e fico um pouco magoado que eles não deram valor, atrasaram salário. Fico chateado. Mas, estou aliviado ao mesmo tempo por ter saído porque quando alguém trabalha, precisa receber pelo seu trabalho. No ano passado, estávamos em uma situação difícil, chegou um novo treinador, e ele me pediu para ajudá-lo. Eu disse que ia salvar o time, mas precisava de uma ajuda dele na questão dos salários. Eu ajudei bastante, fiz muitos gols, fui o artilheiro, fiz gols nas últimas rodadas, e o clube não reconheceu isso - disse em entrevista ao GloboEsporte.com.


Essa não foi a primeira vez que Welliton teve problemas com pagamentos na Turquia. Em seu atual clube, antes de acioná-lo na Fifa pelos últimos três meses sem receber, já havia reclamado e chegado a um acordo para acertar vencimentos atrasados. Antes de chegar ao Kayserispor, o atacante teve uma passagem de quase dois anos pelo Mersin IY e também sofreu com atraso nos salários.


- Aqui na Turquia eu joguei em dois clubes, o Mersin e o Kayserispor. Tenho problemas com o Mersin até hoje. Aqui no Kayserispor voltei a ter problemas e por isso acionei o clube na Fifa. Agora, estou livre para sair. Eu aconselharia outros jogadores brasileiros a não vir para esses clubes que passei. Realmente, não sei como é nos outros, mas aqui é complicado - afirmou.


No momento, Welliton ainda está na Turquia, longe da família, que se encontra no Brasil . Ele lamentou o fechamento da janela de transferências de seu país natal, uma vez que poderia ter uma possibilidade de assinar sem custos com qualquer equipe.


Agora, ele aguarda uma proposta concreta e diz ter sondagens da Ásia e de outras equipes turcas. Porém, há uma preocupação em se manter na Turquia, não só pelos salários atrasados, mas também pelos recentes casos de terrorismo no país.


- Eu estava com minha mulher em casa, a gente sempre teve muito medo de terrorismo. A gente estava em casa e estourou uma bomba a um quilômetro daqui, por volta das 6h da manhã. Tremeu a casa toda, a gente acordou assustado, mas eu falei brincando com ela: "Não deve ser bomba". Quando saí para treinar que vi tudo. A gente fica meio aflito, com medo e procura não andar onde tem muita gente. A gente nunca espera, qualquer hora e lugar pode acontecer um negócio desse - explicou.

Fonte: Globoesporte.com

Imagens