Motorista de carro de luxo que atropelou família em Florianópolis tem prisão preventiva decretada

04/01/2021 07:31:00
Juiz cita em despacho que o homem apresentava sinais de embriaguez e tentou fugir do local sem prestar qualquer socorro às vítimas. Adolescente de 15 anos ficou com a perna presa embaixo da roda do veículo e precisou de passar por cirurgia.

O motorista de 34 anos detido por atropelar uma família em Florianópolis na noite de sexta-feira (1º) teve a prisão preventiva decretada pela Justiça na tarde de sábado (2). O acidente ocorreu no bairro Ingleses, na região Norte da cidade, após o veículo de luxo invadir a calçada na movimentada Rua das Gaivotas.

 

Segundo a Polícia Civil, quatro pessoas foram atingidas e tiveram ferimentos. A mãe sofreu ferimentos leves, já a filha, uma adolescente de 15 anos, foi levada ao hospital. Ela ficou com a perna presa embaixo da roda do veículo e precisou de passar por cirurgia no Hospital Governador Celso Ramos. A polícia e a unidade não informaram o estado de saúde da vítima.


Segundo o juiz Reny Baptista Neto, "sem sombra de dúvida" Diego Salles foi o responsável pela colisão. Além disso, o despacho de sábado afirma que ele tinha sinais de embriaguez, "pois apresentava forte odor etílico, fala arrastada, olhos vermelhos, dentre outras constatações". Ele se recusou a fazer o teste de bafômetro.


No despacho, o juiz cita também depoimentos de policias que atenderam a ocorrência. As falas sugerem que ele tentou fugir do local sem prestar qualquer socorro às vítimas. Além de Diego, outros três passageiros estavam no veículo.


"O que somente não ocorreu porque uma pedra/destroço do muro o impediu, bem como pela intervenção de um suposto Policial Civil que impediu a fuga do conduzido e o manteve dentro do imóvel existente em frente ao local dos fatos até a chegada da Polícia Militar", escreveu Neto no documento que decretou prisão preventiva.


O motorista foi preso por lesão corporal e estava detido na delegacia, mas com a prisão preventiva foi encaminhado ao Presídio da Capital.


No juiz de Direito cita no documento trechos do vídeo de câmeras de vídeo monitoramento da região central do bairro que flagraram o atropelamento. Em cerca de 4 segundos o carro saiu do estado de inércia e entrou na rua.


Na cena, Neto detalha que é possível ver que o "veículo saiu do estacionamento empreendendo alta velocidade, vindo, logo em seguida, a ziguezaguear sobre a pista, muito provavelmente em razão da alta velocidade empreendida, quando, então, invadiu a calçada e culminou por colidir com muro/portaria de condomínio e com as vítimas".


Defesa


Procurado pelo G1 SC, a defesa de Diego afirmou que torce pelo reestabelecimento e íntegra recuperação da vítima. Nesse momento, o advogado Felippe de Souza Laurentino afirmou que trabalha para assegurar que a imagem e direitos de Diego não sejam atacados sem a devida instrução processual.


Laurentino afirmou ainda que há "haverá estudo técnico no qual se demonstrarão as reais circunstâncias do acidente, tanto em relação a alegada embriaguez, quanto em relação a eventualidade".

Fonte: G1 SANTA CATARINA

Imagens


  • Autor: Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros