Warning: mime_content_type(/home/u210603454/public_html/public/uploads/noticias/14eafefcf0ebbeaa9c72a577d5c6d997.jpg): failed to open stream: No such file or directory in /home/u210603454/public_html/module/Jornal/view/layout/jornal.phtml on line 55

Warning: getimagesize(/home/u210603454/public_html/public/uploads/noticias/14eafefcf0ebbeaa9c72a577d5c6d997.jpg): failed to open stream: No such file or directory in /home/u210603454/public_html/module/Jornal/view/layout/jornal.phtml on line 56

TJSC volta atrás e libera aulas presenciais em regiões de risco grave

24/11/2020 08:46:00

O desembargador Paulo Ricardo Bruschi, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), reviu nesta segunda-feira (23) a decisão que suspendia o retorno de aulas presenciais na rede estadual de ensino em regiões classificadas com risco grave (laranja). Bruschi aceitou os argumentos da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e revogou o mandado de segurança que havia sido concedido parcialmente ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Rede Pública de Ensino do Estado de SC (Sinte/SC), autor da ação inicial.

 

Com isso, as aulas presenciais da rede estadual estão liberadas para ocorrer nas regiões com risco grave (laranja), alto (amarelo), e moderado (azul). O governo do Estado já havia liberado as atividades de educação na rede privada e na rede municipal nessas regiões. No risco gravíssimo (vermelho), as unidades de ensino podem optar por atividades de acompanhamento pedagógico. 


Na decisão, o desembargador afirma que embora a pandemia esteja numa crescente, o Sinte/SC não apresentou dados específicos para configurar um mandado de segurança e poderá questionar o Estado em uma eventual ação civil. Outro argumento do magistrado é de que a abertura das escolas não configuraria uma ação direta contra a saúde da população em geral. Além da PGE, o Ministério Público de SC (MPSC) também se posicionou contrário ao mandado de segurança. 


Em outro trecho, Bruschi afirma que a concessão parcial da liminar ocorreu para igualar alunos das redes públicas e privadas. No texto, ele afirma que a liminar foi expedida com "observância ao tratamento isonômico à rede de ensino pública, a fim de que observasse as mesmas regras da particular, buscando se evitar eventual contradição entre tais setores, vez que [...] havia sido [...] mantida a proibição de retorno das atividade nos níveis de risco mencionado", escreveu. 

Fonte: RCN

Imagens


  • Autor: Foto: Cristiano Estrela/Secom