Após ameaças contra vereadora, moradores de Joinville realizam ato contra racismo

21/11/2020 08:20:00
Manifestantes se reuniram na Praça da Bandeira, no Centro. Sexta (20) também marcou Dia da Consciência Negra no país.

Moradores de Joinville, no Norte catarinense, reuniram-se no início da noite desta sexta-feira (20) em um ato contra o racismo e em apoio à primeira vereadora negra eleita na cidade, Ana Lúcia Martins (PT), que foi alvo de ameaças e injúria racial. Também houve alusões ao Dia da Consciêncis Negra, celebrado nesta sexta em todo o país.

 

A manifestação começou às 18h30 e terminou perto das 21h20. Ela ficou concentrada na Praça da Bandeira, no Centro.


Os manifestantes levaram bandeiras e cartazes. De acordo com o partido, o ato foi em solidariedade à vereadora e em defesa do mandato dela. Também foram feitas referências a outros casos de violência contra negros, como o de João Alberto Silveira Freitas, espancado em um supermercado em Porto Alegre na quinta (19), e o de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro morta em 2018.


Amigos da vereadora, integrantes de movimentos sociais, do partido dela e de sindicatos participaram do ato.


Ameaças contra vereadora


Nesta sexta-feira (20) a Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso informou ao G1 que segue investigando o caso de racismo contra a vereadora. A apuração está sob sigilo, pedido pela promotoria de Justiça de Joinville para não atrapalhar as investigações.


Segundo o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), a promotoria de Joinville acompanha o caso e aguarda a conclusão do inquérito para tomar as medidas cabíveis.


As agressões contra a vereadora ocorreram de forma virtual. Desde domingo (15), com o resultado das eleições, Ana Lúcia Martins vem recebendo ataques em redes sociais e até ameaças de morte.


Ao G1, a vereadora disse na quinta (19) que, quando soube da ameaça de morte publicada em uma rede social, na terça (17), durante a reunião com assessores, ela logo pensou: “Vai acontecer comigo o que aconteceu com a Marielle. E eu me perguntava, gente, mas eu nem assumi o mandato”.


Ao mesmo tempo, a vereadora eleita classificada em sétimo lugar nas eleições municipais afirma que o episódio dá força para seguir com os planos de candidatura de paz no Legislativo. Ela assume para a gestão 2021 - 2024.


"Desde a minha adolescência eu participo de movimentos sociais, participo do movimento negro, da organização de mulheres negras e todos esses movimentos fortaleceram essa candidatura e todos esses movimentos e muitos outros estão sendo solidários. Ninguém vai nos impedir de ocupar este lugar", afirmou.

Fonte: G1 SANTA CATARINA

Imagens


  • Autor: Foto: Silas Júnior/NSC TV