Warning: mime_content_type(/home/u210603454/public_html/public/uploads/noticias/485bcfe61e402916f352eca394f41214.jpeg): failed to open stream: No such file or directory in /home/u210603454/public_html/module/Jornal/view/layout/jornal.phtml on line 55

Warning: getimagesize(/home/u210603454/public_html/public/uploads/noticias/485bcfe61e402916f352eca394f41214.jpeg): failed to open stream: No such file or directory in /home/u210603454/public_html/module/Jornal/view/layout/jornal.phtml on line 56

Padrasto denunciado por morte de bebê encontrada em piscina no Norte de SC é assassinado

28/06/2020 11:23:00
Menina de 1 ano e 11 meses morreu em dezembro. Cinco dias depois da filha, mãe foi morta a tiros em Joinville enquanto o companheiro estava preso.

O jovem suspeito de matar a enteada em dezembro do ano passado em Joinville, no Norte de Santa Catarina, foi encontrado morto no fim da noite de sexta-feira (26) em São Francisco do Sul, na mesma região do estado. Segundo a Polícia Militar, ele foi alvejado a tiros.

 

Willian Kondlatsch de Moraes, de 21 anos foi denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) em janeiro deste ano e respondia a processo por homicídio qualificado pela morte da enteada Helloyse Gabriela Francisco, de 1 anos e 11 meses, como mostrou o NSC Notícias.


A menina foi encontrada desacordada em 20 de dezembro na piscina de uma casa vizinha à da família, após a mãe tê-la deixado com o padrasto para ir trabalhar. Ele foi preso no dia seguinte como suspeito do crime e, em depoimento à polícia, alegou que a criança se afogou.


A menina morreu no dia que seria entregue ao pai, por ordem judicial. A possibilidade de afogamento foi descartada após a polícia receber o laudo preliminar emitido pelo legista do Instituto Geral de Perícias (IGP). A defesa de Willian negou que ele tivesse matado a criança.


A mãe da menina chegou a dar entrevista dizendo que acreditava na inocência do companheiro. Cinco dias depois da morte da menina, a mãe foi morta a tiro. A polícia disse que se tratava e execução. Willian estava preso quando a mulher foi morta.


Em janeiro ele foi denunciado, continuou preso por alguns meses e foi solto recentemente. Segundo a Polícia Militar, ele foi morto a tiros no bairro Ubatuba por volta das 23h de sexta-feira. Os disparos teriam partido de um carro que fugiu na sequência. Ninguém foi preso.


O G1 procurou Polícia Civil de Joinville e São Francisco do Sul para detalhes sobre as investigações da morte da menina, da mãe e agora do padrasto, mas não conseguiu contato.

Fonte: G1 SANTA CATARINA

Imagens


  • Autor: Foto: Polícia Civil/Divulgação