Warning: mime_content_type(/home/u210603454/public_html/public/uploads/noticias/57a46f4598ad3f2e28411f5092472e3c.jpg): failed to open stream: No such file or directory in /home/u210603454/public_html/module/Jornal/view/layout/jornal.phtml on line 55

Warning: getimagesize(/home/u210603454/public_html/public/uploads/noticias/57a46f4598ad3f2e28411f5092472e3c.jpg): failed to open stream: No such file or directory in /home/u210603454/public_html/module/Jornal/view/layout/jornal.phtml on line 56

Blumenau registra primeiro caso de Febre Amarela em mais de dez anos

12/02/2020 20:51:00
Confirmação da Vigilância Epidemiológica ocorreu na manhã desta quarta-feira, dia 12

Um morador de 26 anos de Blumenau foi diagnosticado com febre amarela. Este é o primeiro caso registrado em 13 anos. A confirmação da Vigilância Epidemiológica ocorreu na manhã desta quarta-feira, dia 12. Desde 2007, data mais distante em que o sistema nacional possui registros, não havia outros casos da doença no município.

  

O paciente não possuía registro de ter recebido a vacina. Ele foi atendido no Hospital Misericórdia, na região da Vila Itoupava, de onde já foi liberado. A notificação de caso suspeito e a coleta de material ocorreram no último dia 6. O bloqueio vacinal próximo à residência dele está sendo feito e há mais um caso sendo investigado no município.

 

Na semana passada, a Vigilância Epidemiológica confirmou que um macaco encontrado morto foi vítima do mosquito. O caso acendeu um alerta. De acordo com a Diretoria de Vigilância Sanitária do Estado (Dive), entre dezembro de 2019 e o último sábado, dia 8, 275 macacos foram encontrados em 28 cidades catarinenses. Três tiveram a doença confirmada, sendo dois da região do Vale do Itajaí (Blumenau e Pomerode).

 

Em pouco mais de 180 animais não foi possível identificar a causa da morte. O restante segue em investigação. “Em comparação com o mesmo período do ano passado os números de notificações aumentaram em mais de oito vezes, principalmente nas regiões do Médio Vale do Itajaí e Planalto Norte. Esse aumento é um indício da possível circulação do vírus da febre amarela e serve como alerta para a adoção imediata de medidas de prevenção”, alertou a Dive.

 

As instituições ressaltam que os primatas não são os transmissores da doença. Eles são considerados os "anjos da guarda" dos humanos, porque a morte de macacos sinaliza às autoridades que há ou pode haver a circulação do vírus em uma determinada região. Quem faz a transmissão da febre amarela aos humanos é o mosquito.

 

O pedido é de que a comunidade procure as unidades de saúde com sala de vacinação no município para fazer a imunização. A dose da febre amarela é gratuita.

Fonte: OESTE MAIS

Imagens